terça-feira, 12 de maio de 2009

trocas



Preciso de um calmante pra dormir, uma Dipirona agora e um troféu no final do mês.

Estou exausta e alucinando.

Hoje senti que estava à beira de uma rachadura no cérebro.

Preciso da minha saúde mental de volta.

Para poder pensar no branco, ficar no nada, esvaziar e reciclar.

Falando em reciclar, o Phil falou algo que eu achei muito lindo no último Programa da Medusa sobre covers. Ele disse que a Cat Power (seu nome verdadeiro é Charlyn Marie Marshall! eu queria ter inventado um nome artístico tão legal quanto Cat Power! ela tinha nome de filha de presidente dos Estados Unidos de filme...), em seu disco de covers, faz um cover de si mesma, se reciclando. Que lindo se reciclar assim. Achei...

{A direct hit of the senses you are disconnected}

Esse final de semana aconteceu algo muito louco. Consegui uma coisa que eu queria há muito tempo, mas ainda não fez sentido. Estava falando com mi madre sobre um estágio de jornalismo que vai rolar na ONU que paga muito bem, mas para o qual não sou qualificada porque não tenho inglês e espanhol fluentes. Aí, do nada, parece que ela finalmente entendeu o porquê de eu estar trabalhando feito uma condenada para conseguir pagar um curso no exterior. Yeah mum, I will work with what I want and recieve money to do it! Aí ela até me ofereceu um cursinho. Mas...sei lá...acho que tive de me virar tanto pra fazer esse sonho realidade, que me acostumei a não ganhar nada de ninguém. E, agora, parece errado aceitar essa ajuda. E tem também o detalhe de que acho que meus pais são pobres e que qualquer dinheiro que me dão é exploração filhal. Alguém concorda, entende ou joga pedra?


A verdade sobre o tempo livre


O tempo livre não é seu. É do seu empregador. Afinal, o tempo livre não é nada além da extensão do seu trabalho.

O tempo livre é definido como uma oposição ao período de trabalho, criando a ilusão de que ele também não se trata de uma obrigação.

Mas o é.

O tempo livre é apenas o período em que você é induzido a descansar e se divertir, afim de estar mais preparado para voltar a uma rotina de trabalho produtiva.

Qualquer programa de entretenimento apresenta um pretenso conteúdo que é apenas uma fachada. É somente a repetição automática de atividade reguladas. Disso sofre incuravelmente toda diversão.


(devaneios a partir de Adorno)


*Miss Van

5 comentários:

Comentador Fiel disse...

Discordo da parte do tempo livre, ele é seu e você vende aos empregadores.

Sobre a parte dos pais, acho que você deve confiar no coração das cartas.

C. disse...

patty, a foto é ilustrativa mesmo! :)
aaaaah, adoro miss van. conhece a fafi???? é francesa tb e grafiteira como a miss.

Nara Justiniano disse...

quando completei 18 anos passei na Unb, sentí o sabor da minha vitória pelos meus próprios méritos, e decidí: vou sempre lutar pelos meus objetivos, não quero nada que venha fácil. Mal comletei 18 anos e arrumei um emprego, adorei ter meu próprio dinheiro, mesmo que pouco mas era meu, eu tinha trabalhado por ele e sabia o valor de cada centavo, então decidí: não vou mais aceitar ajudinhas de seu ninguém. Eu detestei a ilustração. Tive nojo.

Juliana Oliveira disse...

-Depois de uma certa idade, ser independente se torna algo muito sedutor. Concordo com vc, muitas vezes é bom ser independente, outras pareçe não tão certo assim. Quando por exemplo pareçe um aboa oportunidade. O importante é acreditar em si, isso vc tem de sobra.
Vc não é a primeira pessoa que me diz não gostar de pitty, eu amo. Mas Aconteçe nas melhores família huahaauahau
Brincaderinha
Bjus*

Dark Prince disse...

A última vez que o Comentador Fiel me mandou acreditar no coração das cartas foi muito bom.